MERCEARIA SILVA

MERCEARIA SILVA
PUBLICIDADE

COIFEODONTO

COIFEODONTO
TIMBIRAS DA SORTE

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Após vídeo viralizar, rapaz adota cachorro que fez xixi nele

A cena foi registrada no Rio de Janeiro. Distraído no celular, o jovem foi 'batizado' pelo vira-lata e acabou levando ele para casa.

 
Depois do cachorro que deitou no véu de uma noiva e foi adotado, um outro vira-lata, com atitude menos nobre, ganhou um lar no Rio de Janeiro. Este fez xixi em um rapaz que estava distraído mexendo no celular em uma calçada. A cena foi registrada e passou a circular nas redes sociais, fazendo com que a “vítima” decidisse ficar com o animal.

O vídeo que foi amplamente divulgado no whatsapp e viralizou mostra o vira-lata levantando a perna e urinando nas costas do rapaz, que, indignado levanta e chega a dar um chute em direção a ele. “Acordei hoje de manhã e fui atrás do cãozinho que mijou nas minhas costas hehe. Procurei saber quem era o dono e fiquei sabendo que era de rua. O cãozinho agora tem um lar”, contou o estudante de educação física Heinze Sánchez, 27 anos, em sua conta no Facebook. O post já tem mais de 9,1 mil reações.

Heinze contou que estava no metrô indo para a praia quando viu alguém rindo de um vídeo em que um cachorro fazia xixi em alguém. Pediu para ver e descobriu que era ele. “Ele até me reconheceu por causa da tatuagem no braço e já estava nas redes sociais”, disse. 


O rapaz diz que além de brincadeiras, foi alvo de crítica pelo chute. “Fiquei indignado porque o cachorro fex xixi em mim do nada, mas em momento algum quis machucá-lo. Se você vir nas imagens, quando chutei ele, já estava distante do meu pé. Chego até a encolher o joelho”, diz.

Heinze disse que procurou o dono do caozinho na vizinhança, no bairro São João de Meriti, mas a resposta de todos foi que ele era “de rua”. “Então fiz carinho nele, peguei no colo e trouxe para casa, já que não tinha dono. Ele é muito dócil”. O caozinho “mijão” foi batizado de Enzo. 
 
Postado por EM.COM

Veja a relação dos ganhadores da 6ª Extração do Timbiras da Sorte!



Observação: Alguns ganhadores do Timbiras da Sorte, não quiseram mostrar seus rostos em publico, mas temos as fotos deles em nossos arquivos, é um direito que eles tem em não se expor.
Ganhador do 1º Prêmio

1º PRÊMIO
R$ 500,00

Luanderson de Sousa Araújo
Travessa Sete Casas Leal - Bairro São Sebastião
Timbiras - MA
Vendedor: Não informado na cartela


Ganhadora do 2º Prêmio

2º PRÊMIO
R$ 600,00
 
Neuza Rodrigues S. Silva

Rua Kleyton Cachina Nº 01 - Bairro São Sebastião
Timbiras - MA
Vendedora: Angela do bairro


Um dos ganhadores do 3º Prêmio

3º PRÊMIO (02) DOIS GANHADORES
R$ 700.00

Antonio Leal
Rua da City 2 Nº 88 - Bairro Anjo da Guarda
Timbiras - MA
Vendedor: João Alegre


Ana Paula Batista
 Rua Professor Raimundo Carneiro N° 75 - Bairro Olaria
Vendedor: Silvio Ramon 


4º PRÊMIO 
R$ 7.000.00

Adyson Leandro C. Reis
Avenida João Leal  - Centro
Timbiras - MA
Vendedor: Thiago Rocha
 


A próxima edição será ainda no dia 29 de outubro, com transmissão ao vivo pela AGORA TV  CANAL 7, filiada a TV DIFUSORA, pela RÁDIO CRIATIVA FM 93,1 MHZ e RÁDIO ELDORADO AM DE CODÓ 730 KHZ, às 14:00h.

CONFIRA A PREMIAÇÃO DA 7ª EDIÇÃO DO TIMBIRAS DA SORTE:

1º PRÊMIO
R$ 500,00

2º PRÊMIO
R$ 600.00

3º PRÊMIO
R$ 700.00

4º PRÊMIO

UMA HONDA POP 110cc 0KM
 
Na compra de sua cartela você estará contribuindo para ajudar o FORESTIM, FORÇA ESTUDANTIL TIMBIRENSE. 

 

VÍDEO - Zito Rolim participa do forrozão da terceira idade

ASSECOM
 

BACURI – Empresa e ex-gestores são condenados por irregularidades em licitação

A empresa Conservis e cinco pessoas, entre elas o ex-prefeito do Município de Bacuri, José Baldoíno da Silva Nery, foram condenadas por crime de improbidade administrativa, sob o argumento de que o processo licitatório para contratação de serviços de locação de veículos para transporte escolar fora simulado e direcionado para a empresa. A decisão foi da 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA).

De acordo com a ação movida pelo Ministério Público estadual (MPMA), foram detectadas diversas ilegalidades, entre elas a que acabou por culminar no trágico acidente, em abril de 2014, envolvendo uma caminhonete do tipo “pau de arara” que transportava alunos da rede pública, na qual morreram oito adolescentes e outros oito sofreram lesões corporais. Segundo o órgão, o serviço foi subcontratado a terceiros não habilitados para o transporte escolar.

A Justiça de primeira instância condenou ao ressarcimento, no valor integral do contrato de R$ 1.092.700,00, no percentual de 90%, os réus Célia Vitória Nery da Silva, secretária municipal de Educação à época, e o ex-prefeito José Baldoíno Nery, de modo solidário; e no percentual de 10%, também solidariamente, a Conservis e Andrew Fabrício Ferreira Santos, sócio da empresa.

Os réus também foram condenados à perda das funções públicas, caso as detenham, e suspensão dos direitos políticos pelo período máximo – oito anos – exceto a pessoa jurídica, por esta penalidade ser incompatível com sua natureza.

A Justiça de 1º Grau ainda fixou pena de multa, a ser paga solidariamente por todos os condenados, incluindo a empresa, no valor correspondente ao dano, ou seja, R$ 1.092.700,00, com juros e correção a partir de abril de 2014.

Por fim, proibiu todos os condenados de contratar com o Poder Público pelo período de três anos.
Os condenados apelaram ao TJMA, alegando ausência de dolo e pela diminuição do ressarcimento ao erário e da multa para o valor do lote previsto no edital, destinado à locação de transporte público escolar, no valor de R$ 600 mil.

VOTO - O desembargador Raimundo Barros (relator), em análise minuciosa dos autos, disse que as provas demonstram a ocorrência do ato de improbidade administrativa e que o prejuízo ao erário é evidente. Acrescentou que os réus confessaram que a empresa vencedora do pregão presencial recebia, mensalmente, R$ 60 mil por serviços subcontratados a terceiros.

Barros frisou que houve a intenção deliberada de todos os apelantes em “forjar”, “fraudar” o processo licitatório para enriquecer de forma ilícita a empresa Conservis e lesar o erário.

Ao analisar, porém, o pedido comum a todos os recorrentes quanto à redução do valor do ressarcimento e da multa, o relator observou que foi levado em conta, em primeira instância, o valor total do contrato firmado. O desembargador verificou que a instrução processual e o inquérito civil apuraram tão somente o contrato de transporte público escolar, no valor de R$ 600 mil. Em razão disso, Barros entendeu por reformar a sentença de base nesse ponto. E modificou também a proporcionalidade na aplicação das sanções.

Dessa forma, condenou Célia Nery da Silva, José Baldoíno Nery, Andrew Santos e a Conservis ao ressarcimento integral de R$ 600 mil, no percentual de 90% aos réus Célia Vitória e José Baldoíno, de modo solidário; e no percentual de 10%, solidariamente, aos réus Andrew e Conservis.

Os mesmos três réus - pessoas físicas - já citados, além do pregoeiro Wagno Setúbal de Oliveira, que elaborou o edital, e o ex-presidente da Comissão Permanente de Licitação, Gersen James Correia Chagas, também foram condenados à perda das funções públicas, caso tenham, e à suspensão dos direitos políticos por oito anos.

Quanto à multa civil, as cinco pessoas físicas e a Conservis foram condenadas a pagar R$ 600 mil, na seguinte proporção: R$ 350 mil, por José Baldoíno; R$ 20 mil, por Célia Vitória; R$ 15 mil, Wagno Oliveira; R$ 15 mil, Gérsen James; R$ 100 mil, Andrew Fabrício e R$ 100 mil, pela Conservis.

Todos, inclusive a empresa, também foram proibidos de contratar com o Poder Público por três anos.
Os desembargadores José de Ribamar Castro e Ricardo Duailibe também votaram pelo provimento parcial das apelações para reduzir o valor do ressarcimento ao erário e da multa civil, mantendo-se os demais termos da sentença de 1º Grau.
(Processo nº 3393/2017 - Bacuri).
Assessoria de Comunicação do TJMA
asscom@tjma.jus.br
(98) 3198.4370

PRESIDENTE VARGAS - MPMA pede indisponibilidade de bens de ex-prefeito por fraude previdenciária

O Ministério Público do Maranhão (MPMA) requereu, em Ação Civil Pública, em 25 de setembro, a indisponibilidade liminar dos bens do ex-prefeito de Presidente Vargas, Luiz Gonzaga Coqueiro Sobrinho, devido à falta de recolhimento de contribuições de R$ 1,4 milhão ao Fundo de Previdência dos Servidores Públicos do município (Funpresv), de dezembro de 2011 a dezembro de 2012.

O valor não recolhido - relativo a contribuições patronais de R$ 719,4 mil e à parte descontada dos servidores públicos, no valor de R$ 680 mil -, foi constatado em auditoria da Secretaria de Políticas de Previdência Social, do Ministério da Fazenda.

Na mesma data, o promotor de justiça de Vargem Grande, Benedito Coroba, também ofereceu Denúncia em desfavor do ex-gestor, que administrou o município de 2009 a 2012. Presidente Vargas é termo judiciário de Vargem Grande.

AÇÃO

Na Ação Civil Pública, o MPMA solicita que o ex-prefeito seja condenado a devolver o valor do dano causado; à perda de eventual função pública, à suspensão de seus direitos políticos por oito anos e ao pagamento de multa de R$ 2,79 milhões.

Pede, ainda, que Luiz Gonzaga Coqueiro Sobrinho seja proibido, por cinco anos, de firmar contratos com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais e/ou creditícios, direta ou indiretamente, mesmo que por meio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário.

DENÚNCIA

Na Denúncia, o Ministério Público requer a condenação do ex-gestor por apropriação indébita previdenciária, conduta caracterizada no art. 168-A, do Código Penal (deixar de repassar à previdência social as contribuições recolhidas dos contribuintes, no prazo e forma legal ou convencional). A pena estabelecida é de reclusão, de dois a cinco anos, além de pagamento de multa.

Redação: CCOM-MPMA

Assassino do Duplo Homicidio em Codo é encontrado morto na cela

Por Ramyria Santiago
As primeiras informaçoes que chegam nos confirma a morte por enforcamento de Antonio Bezerra de Jesus, de 52 anos, que na verdade seu nome verdadeiro é Erinaldo Pereira Gomes, o mesmo usava documentos falsos e matou mãe e filha em Codó a marretadas e cassetete.


Erinaldo estava preso no presido de Codó e foi encontrado morto na tarde de hoje Domingo dia (15) por policias. Erinaldo foi colocado em uma cela sozinho e separado dos demais presos por motivos de segurança devido aos crime bárbaros cometidos por ele.  Na tarde de hoje ele rasgou os panos da cama e fez uma corda denominada de “Teresa” e se enforcou, tirando assim a própria vida.

Além do crime de matar mãe e filha em codó Erinaldo Pereira Gomes foi condenado a 27 anos de prisão pelo  art 121 parágrafo 2,I eII, 211 e 213 do PCB homicídio qualificado e ocultação de cadáver, que depois de ter passado 7 anos em prisão fechado, ganhou o direito do semiaberto e que na primeira oportunidade que ele teve, saiu e não retornou mais a penitenciaria de Altamira. Quando fugiu de Altamira ele mudou de nome pra não ser encontrado pelo crime anterior onde ele estuprou e matou uma criança,a vítima se chamava Marlene, tinha 11 anos de idade.

Pages